Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Transtorno do Espectro Autista (TEA) é uma condição que afeta a interação social, comunicação, interesses e comportamento.

Em crianças com TEA, os sintomas estão presentes antes dos três anos de idade, embora um diagnóstico às vezes pode ser feito após a idade de três.

No início da infância, algumas crianças com o transtorno podem apresentar dificuldades na fala ou para imitar sons vocais. As crianças mais velhas podem  ter  problemas em usar comportamentos não-verbais para interagir com outras pessoas – por exemplo, têm dificuldade em contato com os olhos, expressões faciais, linguagem corporal e gestos. Eles podem não manter nenhum contato visual e ignorar as pessoas familiares ou desconhecidos.

Crianças com TEA também podem não ter consciência e interesse em outras crianças, muitas vezes podem preferir crianças mais velhas ou mais jovens, ao invés de interagir com crianças da mesma idade, ou as vezes brincar sozinhos.

Eles podem achar difícil entender as emoções e sentimentos de outras pessoas e ter dificuldade em iniciar conversas ou participar corretamente delas. O desenvolvimento da linguagem pode ser adiado, e uma criança com TEA não não compensar sua falta de linguagem ou habilidades linguísticas atrasadas usando gestos (linguagem corporal) ou expressões faciais.

As crianças com o transtorno tendem a repetir palavras ou frases faladas por outros (imediatamente ou mais tarde) sem formular sua própria língua, ou em paralelo com o desenvolvimento de suas habilidades de linguagem. Algumas crianças não demonstram o jogo imaginativo ou fingido, quando outro repetirem continuamente o mesmo jogo do fingir.

Algumas crianças gostam de manter a mesma rotina e pequenas mudanças podem desencadear birras, outros podem se engajar em atividades repetitivas, como ligar e desligar os interruptores de luz, abrir e fechar portas ou alinhar as coisas.

Crianças e jovens com TEA frequentemente experimentam uma variedade de problemas cognitivos (de pensamento), de aprendizado, emocionais e comportamentais. Por exemplo, eles também podem ter comórbidos os transtornos de déficit de atenção com hiperatividade (TDAH), ansiedade ou depressão.

As principais características do transtorno são problemas com comunicação social e interação – podem muitas vezes ser reconhecidos na primeira infância, algumas características podem não se tornar visíveis até uma mudança de situação, como quando a criança começa o berçário ou a escola.

O que causa o Transtorno do Espectro Autista?

A causa exata do Autismo é desconhecida, mas pensa-se que vários fatores genéticos e ambientais complexos estão envolvidos. No entanto, obter um diagnóstico formal do transtorno é muito importante para identificar o nivel, as potencialidades e deficits na criança diagnosticadas.

Da mesma forma é importante o diagnóstico adulto para as famílias entenderem a condição e trabalhar para fora que tipo de aconselhamento e apoio de que necessitam os pacientes

Por exemplo, estão disponíveis vários serviços específicos para o autismo que proporcionam aos adultos com TEA a ajuda eo apoio de que necessitam para viver de forma independente e encontrar um emprego que corresponda às suas capacidades e capacidades.

Como é feito o diagnóstico?

O Autismo não tem “cara”, forma física, sinais na pele ou no rosto da criança e não aparece em exames de imagem ou de sangue… Esta condição só pode ser identificada por meio de observação do comportamento da criança e por informações coletadas por meio de relatos de seus cuidadores, até que se preencham os critérios necessários para se confirmá-lo ou descartá-lo. Por isso se faz necessária uma ajuda profissional para a avaliação formal e diagnóstico.

Tratamento

Não há nenhuma “cura” para o Transtorno do Espectro Autista, mas terapia da fala e linguagem, terapia ocupacional, apoio educacional, além de uma série de outras intervenções estão disponíveis para ajudar as crianças e os pais.